1/4/16

Não vai ter golpe! Vai ter luta!

A data de hoje, que lembra o golpe de Estado de 1964 (na verdade ocorreu em 1º de Abril, mas os mandões da ditadura escolheram 31 de março para não virar a piada do dia da mentira) poderá, daqui para a frente, ser recordada por motivo mais grato à democracia e aos brasileiros. Poderá ser o dia em que o mundo gritou, em uníssono: “não vai ter golpe”.

Este brado ecoou de Cajazeiras (PB) às grandes capitais brasileiras e reverberou em Paris onde, ao som de Asa Branca, a multidão acompanhou o que acontecia nas ruas das cidades brasileiras e de outras mundo afora.

A grande manifestação contra o golpe ocorrida hoje, 31 de março de 2016, foi uma grande vitória do povo brasileiro. Foram às ruas quase um milhão de pessoas em todo o país, não era uma multidão formada por pessoas avulsas, convocadas pela Rede Globo. Quem ocupou a rua foi o povo organizado nos movimentos populares, entidades como a UNE, MST e outras, centrais sindicais (CUT, CTB e demais), partidos da esquerda cujas bandeiras pontilharam de vermelho as multidões.

Quem saiu às ruas não foi uma multidão avulsa, mas o povo organizado – esta é a realidade que precisa ser frisada. Isso faz toda a diferença na conjuntura em curso. Povo organizado em inúmeras cidades brasileiras, em todas as unidades da federação. É a força do povo para deter a mão golpista!

A energia que ocupou as ruas vai potencializar novos momentos da luta, que não terminou. Vai ecoar no plenário da Câmara dos Deputados que, orientada pela voz das ruas, rejeitará o absurdo pedido de impeachment acolhido, como vendetta, pelo presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

A força do povo cresceu hoje junto com duas ocorrências da esfera institucional.

Uma delas, que a rigor não é novidade, foi o relativo fiasco da decisão da direção golpista do PMDB de Michel Temer. Tendo tomado na terça-feira a decisão de sair do governo, aquela decisão não foi respeitada pelo conjunto do partido. Aliás foi classificada pelo presidente do Senado, o peemedebista Renan Calheiros, em rota de colisão com Temer, para quem a decisão de sair do governo não foi um “movimento inteligente”.

Outra vitória importante, na esfera institucional, foi decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de acatar, por 8 votos a 1, a decisão do ministro Teori Zavascki de tirar a investigação sobre Lula da alçada do juiz Sérgio Moro e transferi-la para a suprema corte. Decisão acompanhada por duras críticas contra a atuação ilegal do juiz de Curitiba.

O protagonismo da presidenta Dilma cresceu nos últimos tempos. É com ímpeto guerreiro que ela enfrenta as ameaças fascistas que rondam seu mandato. E coloca-se à frente da resistência democrática para derrotar o golpismo e garantir a legalidade. Ânimo que traz embutida a certeza de que, vencida esta fase adversa, seu governo vai avançar no rumo das mudanças que o país precisa.

O dia 31 de março vai ficar marcado no calendário da democracia brasileira como o dia em que os brasileiros demonstraram a determinação de não abandonar as ruas, não se desmobilizar, enquanto a ameaça de golpe contra a democracia persistir. Como o dia em que aquele slogan democrático foi reforçado e virou: “não vai ter golpe! Vai ter luta!”

Editorial do site Vermelho. Postado por Altamiro Borges
Publicar un comentario